Geane Masago

Um espaço todo seu para puro deleite do leitor, aqui voce encontrará a poesia intimista. Seja bem vindo.

Wind love

domingo, 1 de dezembro de 2013

Crazy love

Crazy love

Suas mãos me prendem,
tento fuga, encontro entrega
me calo, falo
arremeto - me - submeto
suor e liga pelos crispados
seus dedos invadem-me.

A flor da pele
pele em flor
entrego-me nua, toda sua
fuga desgarro, mas volto
voce dedos, eu mãos
derrapam em puro cio.

Minto um não
me dispo num sim
retorno me entrego
sem virgulas, sem folego
lascivo-fogo entranhas,
Entorpecidos do - nosso - tesão.

Amor em chamas!
GMasago
(01-12-2013

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Da poetisa à poesia

Da poetisa à poesia

Porque metade de mim é rap
a outra poesia.

Porque metade de mim é fêmea
a outra sereia.

Porque metade de mim é amizade
a outra amor!

Porque metade de mim é mar
a outra a-mar!
GMasago
(26-11-2013

Fases da poesia

Fases da poesia

Adormeça poesia
e acorda em alegria.

Durma bem
o ressonar dos inocentes,
e volta pro sonhos de tanta gente.
GMasago
(23-11-2013

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Poesia do genuíno

Poesia do genuíno

Não era uma pessoa qualquer
tinha essência, medos e silêncios.

Não era pra se questionar,
tinha a verdade estampada no olhar.

Não era apenas palma
porque, era alma.

Não haveria a poesia
se não houvesse a rima!

Não haveria um sim
sem antes, haver um não!
GMasago
(26-11-2013

domingo, 24 de novembro de 2013

A escolha II

A escolha II

Troco todo o sucesso do mundo,
só pra ter um brilho d'uma estrela fronte,
meus olhos!
GMasago
(25-11-2013

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

A escolha

Guerreira nata - desde o primeiro instante de vida. (Sobrevida!)
A escolha

Então foi quando tudo começou. No meio dessa minha doce - triste vida, certa vez porém me aparece mais uma daquelas missões quase que impossíveis.

Eu dona de mim, dona de grandes ditos e feitos. Não pus em tese, nem tão pouco me questionei. Simplesmente sorri e disse-me; Gea, voce é guerreira, voce consegue!

Já que por tantas e tantas vezes a vida não tinha me sorrido, essa seria apenas uma tarefa a mais, como outras tantas das quais ja tinha ultrapassado. Enfim... Fui à luta, armada entre unhas e dentes, até o pescoço, corpo e alma. Como sempre, com tanta intensidade assim como bem, sou!

Porém, veio então a grande surpresa.
Não sabia, pra que se ganhar essa guerra, não dependia tão somente de mim. Não estava dentro dela estando só. Havia mais pessoas ao meu derredor.

Vi lágrimas - sufocadas - querendo sair e, ali estacionadas.
Avistei desesperos de gente que não estava sendo compreendida.
Observei o medo sendo usado como fonte de escudo.
Decodifiquei o ódio no olhar do opressor.
Percebi o silencio cantar em almas desesperadas.
Cartas sendo rasgadas, telefonemas adiados, a dor esparramada em cada semblante.

Não havia muita escolha, era chegada a hora, ou eu caminhava avante ou, eu desistia no meio do caminho.

Mas sabia que teria que ser "Mulher-Maravilha", pra suportar tanta dor, pra não deixar-me contaminar com tanta falta de amor, pra não me corromper e, num desesperado grito dizer... "CHEGA, CHEGA!" 

Adentrei como guerreira, tornei-me aprendiz dos sentimentos!

O que ganhei ou perdi com essa história louca?
Ainda não sei, há muito o que se fazer, não cheguei nem na metade deste caminho!

Sendo que por vezes tenho vontade apenas de voltar ser aquela criança - inocente. Olhar nos olhos e dizer: Sinto tanto medo, tanto quanto voce. Não me deixa, só!

Mas é como disse logo de inicio, sou guerreira. Assim sendo, não desisto!
GMasago
(03-11-2013

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Sina do poeta

Sina do poeta

Todo - bom - poeta...

Não anda, desliza.
Não beija, mas ama.
Não toca, sente.
Não faz, mas acontece.

Não morre, mas para além da eternidade, permanece!
GMasago
(19-11-2013

Poesia do sim

 
Poesia do Sim.

Basta um único olhar
um psiu ou, um oi...

Onde esta voce agora, nesta hora?
Que, minh'alma procura, porém, não alcança?

Pra que estejamos - plenos de nós.
Basta apenas um único, sim!

Me chama, q'eu vou...
GMasago
(19-11-2013

Sonhos, apenas

Sonhos, apenas

Quem me dera,
me dera quem se, fosse eu - a poesia?

Flores em rochas nasceriam.
Este mundo - bem - melhor seria!
GMasago
(19-11-2013

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Mar de mim ______ A-mar

 
Mar de mim
_______ A-mar

No teu sal
me faço intima fêmea,
musa-sereia.

Viro do avesso
nado, abraço e trago,
inspiro, aspiro, respiro.

Volto p'ro começo,
driblo a poética
re-inventando a palavra.

Me vou sem trégua,
me dou sem medo.

Mesmo quando o mar
revolto ou, ameno!
GMasago
(13-11-2013 A

MAR

MAR 

A mar, mais que amar
Para além-mar
Embebe(dar) de mar
Sem trair o mar
E para sempre,
a-mar!
GMasago
(13-11-2013 

sábado, 9 de novembro de 2013

The cure

The cure 

Falta empenho,
pra se ver um mundo melhor.
Fazer deste pedaço de chão
repleto de pedras mais flores, mais amores.

Todos nascem pra uma só finalidade
poucos compreendem ou fazem uso.
Não deixar a peteca cair, nunca...
Honrar o fato de vivo, estarmos!

Os ponteiros do relógio, 
tem só um sentido e objetivo.
Nada é tão quão mais brutal no mundo
do que a falta de amor.

Lembre-se!
GMasago
(10-11-2013

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Transcendente ________ Só voce

Transcendente

________ Só voce

Poesia
faz-me voar-plainar
no meu melhor.

Volta e meia
lua cheia
mel e melaço.

Doce da vida,
ida sem vinda,
mãos atadas.

Plena de mim.
Em ti, me vou!

Meu caminho,
como um todo e,
sem fim...
GMasago
(09-11-2013

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Flor em Haste

Flor e Haste

Despir-me-ei toda,
epiderme nua
tola - vadia 
puta - santa
inteira tua.

Pra quando,
teu corpo encontrar o meu.
Perfeito, encaixe...
Dar-te-ei o mel do deuses
a seiva da vida.

Juntos encontraremos a magia
dos desejos que nos 
inflama - queima alisa
veste e despi.
Tesão!
GMasago
(05-11-2013

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Inexplicavelmente

Inexplicavelmente

O resvalo dos sonhos
encontram-se em duas almas.

A construção de uma história
perpetua-se entre fuga e estadia.
Da sede-tamanha que constrói-se 
vagarosamente entre sons e silêncios,
razão e coração - paixão e tesão.
Idas e vindas, sem nunca terem se quer,
partido...

Coisa de alma. Ninguém, explica!
Geane Masago
(31-10-2013

terça-feira, 29 de outubro de 2013

A carta

A carta

Nada passa desatento o que minh'alma grita no silencio noturno do meu mais que profundo.

De tanto amor. Valei-me, óh, meu Deus...Valei-me!!!

Meu amado, por tantas e quantas vezes de ti tentei-me ir. Quando que por ventura, achava já longe estar. Mal eu sabia, que seus olhos novamente os meus estavam a encontrar.

Hoje, já em tempo tardio, confesso... Não há mais fuga à tão nobre, amor!

O mar hoje canta sereno, tento a lua companheira e noite desce seu véu de estrelas e eu a cá, sonhando voce. Tua boca, suas mãos atadas as minhas, nossos corpos, no gosto viril e suave do teu beijo.

Enquanto o que nos separa, são as paredes que cortam entre o casarão e a maldita senzala, nada mais do que além disso. Nada. Pois, nossas almas unas já estão.

Assim sendo, continuo minha lida, mesmo que contra todos e contra tudo, se acaso preciso, for...

Ah, tão sonhado Quilombo!

Então, repousarmos numa rede, nosso tão merecido descanso. Após tantas batalhas e medos.

E quando, isso tudo finalmente nos ser, seremos dois o que por hora é, apenas um.

Eu te amo, amor meu! Chico,
atenciosamente de sua amada Constância de Albuquerque!

*

NOTA; amigos apresento à todos, Constância de Albuquerque um dos personagens da estória que sera editada em livro - " Constância- De Volta à Ilhabela no séc. XVIII" sendo eu, co-autora juntamente ao escritor Natanael Olyver dando sequencia à peça teatral, que será lançada na cidade de São Sebastião para o mês de Janeiro, próximo.

E desde já, minha gratidão à todos voces...
Geane Masago
(30-10-2013

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Sem permuta

Sem permuta

Se amor tivesse um tipo físico 
e concreto não seria amor.

Amor nos absorve lentamente, coisa d'alma.
Quando se achega, conta nos toma.

As vezes entristeci, noutras revigora.
Agora; se for amor verdadeiro,
insiste, luta e permanece!
GMasago
(29-10-2013

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

BELO

BELO

Por vezes,
o silencio tem sua fala própria, onde não há
necessidade alguma de sons.

Apenas a unidade impar dum simples olhar...
Deste amor que minh'alma canta por ti!

-Constância de Albuquerque-

GMasago
(24-10-2013

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

A Batalha

A BATALHA

Tem horas na vida, que é preciso
apagar a luz ter noção das trevas,
dar um giro 380 graus em seu próprio eixo.

Escandalizar a poesia
descer no submundo
sair do salto
usar um gramofone
soltar um peido
dar um grito
rezar em rebeldia
ter garras-unhas e dentes
e com eles = fazer e acontecer.

O poder esta dentro
nunca fora
da gente!

OLÉ! VITÓRIA!
GMasago
(23-10-2013

Olhos de gata

Olhos de gata

Meus olhos de gata, olham os teus,
tanto quanto, os teus aos meus...
Nos farejamos, nos sentimos.
Porque, nosso cio se tocam.
GMasago
(22-10-2013

O amor

O amor é a única coisa que não tem volta, uma vez ido é para sempre!
Assim sendo, não desperdice-o!
GMasago
(22-10-2013

A chuva

Enquanto o céu desabava em tormentas, minh'alma repousava em poesia!
GMasago
(22-10-2013

Madrugada

Madrugada

Minha lua é vadia
tal qual minh'alma.

Saio à caça por ai,
na espera duma nesga de Sol.

À tocar-me a tez. 
GMasago
(22-10-2013

Em gestação

Em gestação

Enquanto dorme
sussurro teu nome.
Atada nesta senda
que me inflama.
Voce em mim,
te encontro e me venho.
*
O primeiro beijo,
o primeiro toque,
a primeira vez d'eu
entregue em todo seu teu.
É tudo que nesta hora,
minh'alma mais deseja.
- Constância de Albuquerque -
GMasago
(22-10-2013

Sedução e arte

Sedução e arte

Me beba 
vagarosamente
em tragos lentos.

Me dispa das vestes
e, me toca com os olhos.

Ouça meus pensamentos = minha libido
palavras ao vento.

Me lambe, me molha
me assanha em força tamanha.

Me tenha, não detenha-me.
Venha-me, e que feita seja nossa vontade.

Se nua me dou, nu te quero.
porque em tua carne ja estou,
Faz tempo!
GMasgo
(21-10-2013

Eu-lirico

Eu-lirico

Se existe eu, é porque
em mim, voce habita!

E de ti,
ei de me embriagar
até que o jardim do sonhos, possam florir!

Poesia...
Geane Masago
(21-10-2013

O Sol

O Sol

Chovia fininho só estava
agrura, mal de amor.
Pensava, em morrer...

Que nada...
Renascia das águas - lágrimas
O amor, a poesia, a vida.
*
Chuva é sempre passageira;
o Sol reina todos os dias,
mesmo quando não a-parece!
Geane Masago
(20-10-2013

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Os prisioneiros

Os prisioneiros

______________ Melancolia de Constância

Ainda que, oiço o canto triste do capoeira.
Choro de quem ama, dor de quem sustenta o fardo.

Grilhões arrastar-se-ão por este chão de terra batida.
Mas, até quando? 

Almas algemadas.
Será, que perderam a chave?
Deveras liberdade, perturba-se o que vê, além dos olhos.
Qual a distancia entre eu e ti,
da parede à senzala?
Da fé à desilusão?

Pobre de mim - Constância.
Pobre de ti - CHico.
Pobre de nós...

Então, deixemos que o amor siga seu próprio risco.
Aprisionados na dor, prisioneiros do amor.
GMasago
(16-10-2013

Pobre coração

 
Pobre coração

O coração
grita-geme-fala,
o que a alma
tenta esquecer!
GMasago
(15-10-2013

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Lascivo

Lascivo

Quero
da boca o mel
do suor o sal
da unha o rasgo
do dedo o toque
da mão o aperto
do caldo o condensado
da tesão comer e beber do vosso corpo.
Pra ver voce, explodindo em mim!

GMasago
(15-10-2013

She

She
_____________ Minimalista

Antes,
tinha medo de dormir
e não ver a vida passar.

Hoje,
tem medo de acordar
e ver a vida passar.
Geane Masago
(14-10-2013

Brutal

Brutal

Olhos
falantes.
Boca
muda.
Coração
impiedoso.
GMasago
(14-10-2013

Irmandade

Irmandade

Amor
dor
primos
irmãos...
Lado
a
lado!
GMasago
(13-10-2013

Sol(i)dão

Sol(i)dão

Amigo,
mais 
certo
das 
horas
incertas.
GMasago
(14-10-2013

Wind love

Wind love
________Aldravia

Vento
brumas
vendavais.
Amor,
vida
poesia!
GMasago
(13-06-2013

O Segredo

O Segredo

Porque
toda
fêmea
tem
seu
segredo.
GMasago
(12-10-2013

Dicio: dicionário de português

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Eu e o mar ______ Dueto

Eu e o mar

Não sou sereia,
sou poeta d'areia!
E do mar naufraga,
navegante!
GMasago
(11-10-2013

 Entre nós...o mar...

Auto estima à deriva
Num mar revolto, furioso
Contra as rochas

Desfragmenta-se
Nos Fragmentos
Não reside a vontade
De se regenerarem
E, voltar ao espírito
Uniforme
Que anseia
Pelos Alísios
A ufanar as velas
Das caravelas
Que não velejam
Nem velam
Por nós
Foi proclamada
A tristeza
Será banida!
Jamais aplaudida
Talvez esta matriz
Invisível "trave mestra"
Que desperta o navegador
A desbravar o além mar
E, novamente ir
Além da dor
Ânimo
Porque tu és!
Não deixes, que te condenem
Novamente
Ás galés.
A.B.

Antonio Borrego