Geane Masago

Um espaço todo seu para puro deleite do leitor, aqui voce encontrará a poesia intimista. Seja bem vindo.

Wind love

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

De cabeça erguida (Dueto)


_____________Antonio Alves I_____________Geane Masago II


I
DE CABEÇA ERGUIDA

Caminhava na sombra e seguia
cabeça erguida, pelos atalhos da vida.
Estava fria e vestia amarguras.
Na sua cabeça só o ladrar dos cães,
de todos os cães da sua vida,
que lhe roubaram a juventude.
No desamor, no lume,
nos pais que nunca foram,
nas madrugadas mal dormidas,
no frio do nada – pesadelos,
de cheiros, água- gelada;
do futuro trocado pela vida,
sem escola e sem livros.
Estava sozinha, ia sozinha,
e falava:
Da infância não vivida, perdida,
da menina- mulher.
Do marido que cedo foi e não foi.
Dos filhos – e aquele frio, sempre.
Por eles seguia sem lágrimas
embora o seu corpo ainda jovem
lhe pedisse outros caminhos…
Mas se ela era o caminho!...
Como podia? Não podia.
Por eles seguia na sombra.
Refugiava-se na escrita de sonhos,
hinos ao erotismo que ainda vestia.
Toda ela era sensualidade,
e queria, mas não tinha coragem,
a sua vida de desamor matara o amor.
Seguia triste, sofrida, rude ás vezes,
mas bela.
Só que aquela mulher escrevia,
era toda poesia.
Aquela mulher porque escrevia
metia-me medo, mete-me medo.
E vai só, segura-insegura, mas vai.
De cabeça erguida.

Antonio Alves
22/01/2013


*

II
De Cabeça Erguida

Alguém viu bem mais do que as palavras
olhou nos olhos vagos-vasos d'água, hipnotizado ficou.

Alguém ouviu um grito não dito
proscrito d'uma garganta serrada-sangrenta.

Alguém leu entrelinhas da fala destemida- maldita,
arroubos de quem sofre ou chora.

Alguém ouviu a linguagem do mudo
visualizando os signo's visceras.

Alguém sentiu medo...
...medo do olhar;
de quem sabe amar,
de quem escreve poesia,
de quem sabe sonhar,
medo d'uma alma faminta
sedente de vida e poetar!

Alguém disse...
...de: Cabeça-erguida.

E aqueles olhos mortíferos espelhos d'alma
reflexos-vestígios de espera-ança 
havia uma sobrevida 
maior que o mar,
e tinha nome Vida em poesia,
que estava muito além da própria arte.
Pois era a arte e a própria.

Caminhando
cantando 
indo e vindo
perdida e encontrada
entre  poesias e sonhos!
Geane Masago
(23-01-2013)

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Se acaso puder



Então, diga-me 
qual a  diferença 
entre luz e treva?

A diferença, 
entre real e irreal,
tesão e paixão,
carnal e visceral?

Se quanto,
o único desejo
que me corta as entranhas
feito o fio duma lamina,
tem nome.

Açoita minha noite
feito acido-quente.
Deste verso que nunca cala,
consorte ou sem sorte
consente o que d'alma exala.

Então diga-me
qual a diferença
entre a estória e/ou história?
Geane Masago
(22-01-2013)

A DIFERENÇA ENTRE AMOR E AMIZADE (WILLIAM SHAKESPEARE)


Perguntei a um sábio, a diferença que havia entre amor e amizade, 
ele me disse essa verdade...

O Amor é mais sensível,
a Amizade mais segura.

O Amor nos dá asas,
a Amizade o chão.

No Amor há mais carinho,
na Amizade compreensão.

O Amor é plantado e com carinho cultivado,
a Amizade vem faceira, e com troca de alegria e tristeza, torna-se uma grande e querida companheira.

Mas quando o Amor é sincero ele vem com um grande amigo,
e quando a Amizade é concreta, ela é cheia de amor e carinho.

Quando se tem um amigo ou uma grande paixão,
ambos sentimentos coexistem dentro do seu coração

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Amigos para sempre


Amizade verdadeira o tempo não dilui, entra na vida da gente fica, gruda, cola.

Chora e ri juntos de mãos dadas, manda à merda e tudo continua do mesmo jeito, no mesmo elo, compasso e lado a lado.
Sem dor sem desamor!

Para sempre!
Um passarinho me contou...
Geane Masago
(07-01-2013)

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Exotic




Perdoe-me se te olho de soslaio
se te mato a cada instante
ou se vida te dou.

Desculpe-me se te furto ou se te roço,
neste meu olhar vagabundo
profundo tateando o seu tudo.

Esqueça esta triste-doce sina
minha de ser fêmea, fera,
fel intimo mel.

Perdoe-me se retrocedo-me 
inteira, nua ou meia
pro teu avesso in-verso!

Perdoa, se acaso puder!
Caso contrário,
mate-me de vez, se puder!
Geane Masago
(17-01-2013)

Entre eu e ela



Quando penso em voce esqueço-me.
Mas como? Isso não pode acontecer!

Se eu, sou voce...

Não posso, diluir-me.
Morro e mato-me em poesia!
Geane Masago
(16-01-2013)

domingo, 13 de janeiro de 2013

Pai


São por pequenos detalhes
que escrevemos grandes histórias...
(13-01-2013) 

O condutor



En-quanto
o dia se fizer noite e
noite se fizer dia,
e anjos murmurarem
no esplendor dos céus e terras.
Estrada não sera
apenas um-o caminho.

En-quanto
houver um
espaço-tempo,
entre o finito
e o mais bonito.
Mesmo que, no abissal
de tão vasto oceano.

...A verdade sempre
a verdade!
Será cantigo e hino
e condução-mor,
nos corações daqueles
que se amam!
Geane Masago (04-01-2012)


Nota: Primeiro lugar do podiam do grupo Voar Na Poesia.

O poeta nunca dorme

Preciso não dormir,
não dormir, preciso...
Dormir não preciso,
só pra ver o sol nascer!
Geane Masago
(04-01-2013)


Bem assim



Em cima do telhado
de lado de frente.

Gatos alados
eco bis.

Lua cheia
meia volta, volta e meia.

Perdidos encontrados
no uso e no abuso.

Estalos miados
curvas e linhas.

Quedaram do alçapão
enrodilhados.

Entre suor e sensação
enroscados.

Sem noção, tesão,
a continuação...
Geane Masago
(06-01-2013)


A gaivota


_________Minimalista

Observe meus passos
e veja qual trilha
me vou.

Sempre,
eternamente...
Geane Masago
(08-1-2013).

Haja de haver



Nada mesmo melhor do que se ter
uma boa his-estória pra se contar!
(11-01-2013)

Enquanto mar for mar



_______________________________Poeta do mar

O único poeta que tenho medo, ainda de ler é voce.
Acredite.. Paranoia?! Sei lá... Sei lá, mesmo..
Tem que ter sangue no olho, pra isso!
E isso eu tenho. Acredite!

As águas do mar
ainda que tardia,
encontra-se-ão
em algum lugar!
Geane Masago
(11-01-2013)

Na primeira pessoa



Não nasci para o grafite e sim tinta óleo!
Geane Masago
(07-01-2013)

A evasiva



Ninguém é tão livre de si,
que não esteja 
em plena prisão!

Ah




...fala-me
bem baixinho...
Vai, voce eu deixo
escondidinho 
daquele jeito
nosso jeito.
Vai concerta
o que mais
não tem 
concerto.
Me toma
aos ouvidos
desça até 
meu umbigo.
Mas venha
logo sem 
demora.
Só sua voz
me destoa!
Daquele
jeito!
Geane Masago
(10-01-2013)

Verso


Cada verso meu que escrevo. Um pedaço meu esparramado pelo asfalto em branco!
Geane Masago
(10-01-2013)

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

A musa




Ela por onde passa
deixa rastros
faz vertigens
amolece o aço
não brinca
em trabalho sério
e criva o feitiço 
nó e seu encantamento.
A perdição de todo
poeta!
Geane Masago
(09-1-2013)

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Essência



Então meu bem,
não me pergunte o que seja
o amar universal ou,
o amar livremente!

Porque o amor é feito 
arvore em sua copa 
mais frondosa e vasta,
recortando o céu e a terra
cobrindo em todo seu espaço.
com seu musgo, verdejante
tendo a sombra o esteio
de quem dela apeteça!
Engenharia mais que perfeita
da própria deusa-gaya.
É tronco maciço em madeira de lei,
arraigada nas entranhas da terra-mãe!
E quando decepada ela chora,
tendo lágrimas como seiva.
E quão forte sobrevive,
até mesmo o próprio tempo.
Surgem então, seus primeiros galhos,
a emergir da própria morte,
uma sobre-vida à própria sorte!

Então, meu bem 
não me pergunte
o que é o amor!
O amor quando cristalino,
não tem mistérios,
nem tem perguntas,
nem tão pouco respostas.
Pois quando o é.
É amor e simplesmente!
Geane Masago
(09-01-2012)

domingo, 6 de janeiro de 2013

É isso aí


Em cima do telhado
de lado de frente.

Gatos alados
eco bis.

Lua cheia
meia volta, volta e meia.


Perdidos encontrados
no uso e no abuso.


Estalos miados
curvas e linhas.

Quedaram do alçapão
enrodilhados.

Entre suor e sensação
enroscados.

Sem noção, tesão, 
a continuação...
Geane Masago
(06-01-2013)

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

O Diário de amor I


O amor não será.

Pois já o é!

Assim é,

 e assim...

...será!

Pontuo!
(30-12-2012)

A obra prima II

A Obra-Prima II

____________O silencio

Não me pergunta coisas
das quais não saberei responder.

Mas quando, minha voz à ti murmurar
e sobrarem apenas os sussurros
e o profundo silêncio.

Então, não me pergunte mais cois'alguma.
Para possas ouvir a unica voz
que entoa deste meu coração.

Voce!
Geane Masago
(21-12-2012)

Poemeto de amor



Quem ama perdoa,
quem ama compreende,
quem ama aceita.
Quem ama vê a lua
esperando o sol chegar!
Geane Masago
(30-12-2012)

Nua



Dispa meus dessentidos
q'eu me dispo dos sentidos
inteira, meia, só pra voce!
Geane Masago
(30-12-2012)
 

A Metragem


Pra cada metro de distancia,
mais voce dentro de mim!

Pra cada metro de saudades,
mais eu dentro de ti!
Geane Masago
(29-12-2012)