Geane Masago

Um espaço todo seu para puro deleite do leitor, aqui voce encontrará a poesia intimista. Seja bem vindo.

Wind love

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Pa ti



Traga-me o intimo porque
a-mar é apenas um ismo.

Qual,
a distancia entre a
carne e corpo
copo e cálice
côncavo e convexo no
espaço-tempo?

Se somos a soma do
mim em ti
e
ti em mim?
Geane Masago
(27-02-2013)
 

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Traição


T*ranquei a porta do destino
R*evirei os versos e desnudei meus véus
A*cordei gralha e recebi grelhas
I*ndeléveis noites frias
Ç*ães noturnos em uivos malditos
A*mor (des)-amor que tive de matar, para dele não morrer
O*utrora não é agora! Porém ainda, meu peito chora!
Geane Masago
(22-02-2013)
 

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Perigosa


Atalho
côncavo
pelo
nesga 
pele
estreita.

*

Nós
elos
entre o 
mim e ti
Pobre de mim
ai de ti!
Geane Masago
(21-02-2013)

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

A trasfusão


Falta paladar
falta amor
falta mar
falta verdade
falta sonhos
falta seiva
falta respeito
falta tudo...

Transmutam o sangue
de uma veia pra outra!

Ao invés de vida...
...morrem-se por dia,
um pouco mais!
Geane Masago
(20-02-2013)

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A utópica realidade


Certo dia,
perdida olhava estrelas do meu céu!
Devaneava ser uma elas,
não por serem estrelas, tão somente.
Mas, por desejar saber:
como emanam tanto brilho, tanto amor!

*

Não há vida sem viver.
Não há sonho sem ilusão.
Não há amor sem querer.
Não há céu sem estrelas.
Não há aprimoramento sem mortes.
Geane Masago
(19-02-2013)

domingo, 17 de fevereiro de 2013

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Por favor


Não me olhas torto assim.
Não me ponhas sem jeito.
Não tateia minha carne.
Não desliza minhas matas.
Não toca meus raios.
Não me mostra o desejo.
Não me lembra o gosto d'um beijo.
Não me rouba de mim.
Não me deixa rouca.
Não me mostra o insano.
Não tonteia meu certo.
Não abala o mistério.
Não me ponhas louca,
Não me faças fêmea,
nem me lembra a flor-da-pele.
Nesta louca madrugada
tão eu, tão voce.
Neste sentir-roçar brisa de mar.
Não me faças pecar.
Posso, não aguentar!
Geane Masago
(17-02-2013)

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Poesia Simples


Quero sim
enveredar-me
nos seus mistérios
Desatar seus nós
parir seus versos
seguir sua rima
desentranhar ar minha calma
seja lá onde for
dar-lhe minha palma
atirar-me na cama e
continuar no mar
voar nos seus céus
cantar sonhos
caminhar no luar
beber no seu oásis
crucificar a dor
matar minha sede de
amor...
Geane Masago
(14-02-2013)

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Poésie

Se,
me rasgo inteira
em rimas loucas.

É,
porque louca, voce me põe então
dê-me o alivio tão desejado.

Sim,
quando o delírio se achega,
nasce-verte a poesia.

Então,
tira-me o ébrio
dando-me o ópio (êxtase).

Portanto,
não me deixa assim,
louca de vontade de voce!
Geane Masago
(13-02-2013)

Vixi I

Só pra não perder o costume.
Eu não mordo, só arranho
se preciso for!

E olha,
que nem sou pantera,
sou poeta!
Geane Masago
(12-02-2013)

Egoísmo?

E cada dia que se passa,
sou em mais ou em menos.

Sou eu por mim ou,
mim por eu, mesma!
Geane Masago
(11-02-2013)

Pra se ler bem baixinho

Chama não, que eu vou
de trem ou, de a pé
de carro ou de boi,
a nado ou no voo.

Não assanha meu verso,
não me bota em lenha.
Não atiça minhas cores,
q'eu me desboto em in-verso.

Vou chorando ou sorrindo,
com jeito ou sem jeito.
Devagar no passo da valsa ou,
vou ligeiro, vou correndo.

Vou no fogo ou em gelo
vou cantate ou muda
inteira ou metade.
Mas, chama não...

Porque, eu vou.
Pra modo de morrer em voce.
Geane Masago
(09-02-2013)

RBD


Não
que 
ele 
seja
um
louco...
...Só é,
um RBD
a mais!

do nada!
(08-02-2013)

Áqua


No velcro da pa-lavra


Vou rasgar meus versos
no frio da madrugada.

Sim, vou povoar
sua mente, seu sangue.

Vou dedilhar o tempo
no fio e na navalha.

Sim, vou destilar toda cor neon,
bom-bom pecado, tempo vazio.

Vou adentrar no seu ósculo
francês, fregues.

Sim, a meia noite,
a meia lua a meio fio.

Vou correr contra o vento,
desvendar todos malditos mistérios.

Sim, vou escrever sem nenhuma benção
ou sem seu amém, esse carnal com-puta-dor!

Vou-me, pra lugar nenhum,
n'uma transfusão de sangue vivo-morto.

Amor-dor.
Palavra que não lavra!
Geane Masago
(08-02-2013)
 

Viver


Verba-lizando


Faça 
carne
aquilo que 
um dia já foi
verbo!
Geane Masago
(08-02-2013)

Disritmia

Essas ondas que agora me infringem
que não são dos sete mares e 
sim, deste meu-seu corpo
que, me queima por dentro.

Adentrando minhas entranhas-estranhas
superfície pele e pelo,
meu em seu.

Essas ondas que me
suplantam, desimplantam,
redemoinhos e moinhos
de ti em mim.

Não me deixa assim
perdida e só, em ondas!
Vem logo! Vem...
Geane Masago
(05-02-2013

domingo, 10 de fevereiro de 2013

A Réplica



A Réplica

Mas, puta boa seu moço é aquela
que seu churrasco não pagou,
sua grana não comprou.
Porque, ela não te aceitou!

É, seu sei seu moço, que
puta feliz é aquela que
escolhe e não é a escolhida.
Portanto...

Quem, puta eu seu moço?
Posso até ser...
Mas não
pro bico seu!
Geane Masago
(09-02-2013)

Nota: Apenas uma brincadeirinha por senhor Rabih Mohamoud!

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Ar pra respirar



Meu bem...
Tranque a porta ou,
abra-a de vez.

Cubra minha carne ou,
desnude-a num talvez.

Solte essa camisa de força,
antes que ela mesma
nos-seja a própria-força!
Geane Masago
(03-02-2013)

Papo reto


 DE MULHER PARA MULHER

Numa conversa corriqueira com uma amiga ela me pergunta: Mamãe passou açúcar em você? Aquilo de certa forma me fez pensar “é, realmente a amiga tinha razão”. Mas claro e óbvio que não!

Aquela simples pergunta me fez questionar e cheguei a as minhas próprias conclusões.

Toda mulher tem dois caminhos a seguir. Cabe fazer a sua escolha. Ou ela se torna uma boneca de vitrine ou ela conquista o seu espaço no mundo, mostrando o quanto vale.

A mulher não precisa ser gostosa, gostosura acaba! Precisa ser o diferencial, corpo e mente andam lado a lado.

Mulheres “bonecas” são aquelas que os homens usam e abusam e depois que enjoam atiram no primeiro saco de lixo da esquina.

Mulheres que são mulheres fazem a diferença e se eternizam.

Nunca deixei que homem nenhum me escolhesse, muito pelo contrário, eu os escolho! Nunca me coloquei na condição de ser corrimão de quartel. Neste corpo que mamãe me deu, olha e toca quem deixo eu!
Tive poucos homens na vida. Portanto, estes poucos realmente me tiveram.

Não sou estrada em linha reta e sim o alto de um desfiladeiro. Pra me alcançar tem que ter coragem de chegar ao topo. Por isso, logo de início aviso, avisar nunca é demais: todo cuidado é pouco! Este caminho é sinuoso...

Então, respondendo à amiga “mamãe não passou açúcar na Geane, mas a ensinou qual seu valor!”

Pense nisso - Aqui o papo foi reto!
Geane Masago
Cronista
(24-01-2013)

Sem demora

Cala minha boca
com o gosto da sua.
Mata meu desejo 
com o gosto da seu.
Sufoca minha carne
com o gosto da tua.
Venha... ...
Geane Masago
(01-02-2013)

Em nome da poesia


É por esta fé
desatino de quem chora.

É nesta alegria
desalinho de quem ora.

É por este mundo
descaminho de quem implora.

É quando a poesia se faz carne,
de quem sede dela tem!

Então,
que não haja mais a morte
o que de seiva chamo.
Que não haja mais a dor
o que de amor proclamo.

Pois é, neste agora
que o canto da poesia nos canta e encanta,
redesenhando o clarão da aurora
o que como vida, eu entenda.

Amem! 
Geane Masago
(01-02-2013)

No intimo do nada


Ninguém sentiu saudade 
do sonho que nunca aconteceu.

Ninguém lembrou do beijo 
que nunca foi dado.

Ninguém sofreu a dor
desmedida do grito do silêncio.

Ninguém relembrou a fragrância
da velha rosa abandonada.

Ninguém foi paragrafo
sendo que nunca tenha sido letra.

Ninguém voltou atras
daquilo que nem ousou em ser.

Ninguém conteve o éter 
nem o opio descondito.

Ninguém cobriu com mortalha
as tulipas mortas do jardim!
Geane Masago
(02-02-2013)

O oceano


Se eu ficar o bicho pega
se eu correr o bicho come.
Por isso me mato, me faço
me tenho e não me detenho
neste meu-seu oceano.
Para todo o sempre ah-mar...
Geane Masago
02-02-2013)

Oxigênio

___________A mão

Roça revira a seiva
da sobre-vida, 
embola para ver 
terra res-pirar
movimentar
aspirar
abrolhar
o que
jaz...

Oxigenar
fluir
ir...

Oxigênio, mãe terra!
Oxigênio...
Geane Masago
(15-01-2013)

Escolha(s)


I
O ruim da mentira é que ela existe...
O bom da mentira é que ela não perdura!

II
A verdade doí,
mas não mata.
A mentira destrói...
...dura-mente
lenta-mente
morna-mente!

III
Qual o preço da verdade?
Dignidade!

VI
Quem mente uma vez...
...mentirá sempre!

V
Uma questão de
peso e medida
entre o sim e o não!
Geane Masago
(15-01-2013)

Vida louca

Olhe cada passada

observe cada detalhe.

Acompanhe o ritmo
istmo fendas intimo.

Se enrosque e só solte,
depois de um breve...
Geane Masago
(15-01-2013)

Eu e ela

Quando penso em voce esqueço-me.
Mas como? Isso não pode acontecer!

Se, eu sou voce...

Não posso diluir-me.
Morro e mato-me em poesia!
Geane Masago
(16-01-2013)
 

Exotic


Perdoe-me se te olho de soslaio
se te mato a cada instante
ou se vida te dou.

Desculpe-me se te furto ou se te roço,
neste meu olhar vagabundo
profundo tateando o seu tudo.

Esqueça esta triste-doce sina
minha de ser fêmea, fera,
fel intimo mel.

Perdoe-me se retrocedo-me 
inteira, nua ou meia
pro teu avesso in-verso!

Perdoa, se acaso puder!
Caso contrário,
mate-me de vez, se puder!
Geane Masago
(17-01-2013)

Filha do mar

________Ah-mar


A primeira vez
que avistei o mar
lá envolta absorta
de mim mesma
roubada por ti,
fui.

Passaram
piratas 
marujos
pescadores.
Mas foi na
numa cauda de sereia
que me fui pra nunca
mais voltar!

E é neste em seu dorso
ora sereno ora tormenta
de água verdes verdejantes
maré, mareá que
quero morrer.
Ah-mar...
Geane Masago
(17-01-2013)

O beijo


Todo beijo tem um gosto.

Qual é o gosto daquele que nunca dei?

Impossível,  esquecer-me!
Geane Masago
(17-01-1-2013)

A mão que escreve


Era uma menina que
aos nove perde o pai
aos dez pra lida vai
aos onze le M. Lobato
aos doze monta cheiro-verdes
aos quinze lavrava a mãe-terra
aos dezesseis vendia verde-cheiros
aos dezoito resolve viver
aos dezenove pari a vida
aos vinte e três fez carne
aos vinte e seis faz sangue
aos vinte e oito dá a luz
aos trinta começa a se questionar
aos trinta e quatro forma-se mãe
aos trinta e cinco re-lembra M. Lobato
aos trinta e seis decide-se
aos quarenta escreve poesia
aos
reticencias...
Geane Masago 
(20-01-2013)

Se acaso puder


Então, diga-me  qual a  diferença,
entre luz e treva?

A diferença, 
entre real e irreal,
tesão e paixão,
carnal e visceral?

Se quanto, 
o desejo que me corta as entranhas
feito o fio duma lamina,
tem nome.

Açoita minha noite, feito acido-quente
deste verso que nunca cala,
consorte ou sem sorte
consente o que d'alma exala.

Então diga-me qual a diferença,
entre a estória e/ou história?
Geane Masago
(22-01-2013)

O cruzeiro


Ouço ao longe o canto do mar
a cada onda que desliza a encosta
mais longe de mim me vou.
Perdida no nada, encontrada no tudo.

Um oceano inteiro pra eu desbravar
pedaço vivo de mim, onde velejo,
sem trégua, sem medo da morte.
Furtaram minh'alma e jogaram ao mar.

Não sei mais se o mar canta ou chora.
Mas em noites frias e sobre os olhos da lua
espero o Sol e o raiar dia.
Não sei mais, onde estou...
Geane Masago
(25-01-2013)

A fusão


Sou feito gelo ao fogo.

Basta um olhar seu
que eu me derreto toda.

Isto é, quando o seu olhar
encontra o meu!
Geane Masago
(26-01-2013)

A linguagem dos olhos


O repouso pro meu desalento
é avistar o mar.

É saber que o seu olhar,
de lá de longe.

De bem longe,
procura o meu!
Geane Masago
(27-01-2013)

O fotografo d'alma


Os olhos receptor
do bom e do ruim da vida.

Ora eles sorriem
noutras eles choram.

Portanto,
quando se sorri com os olhos
ao invés dos lábios.

Com certeza,
um coração
saltitou por dentro!
(28-01-2013)