Geane Masago

Um espaço todo seu para puro deleite do leitor, aqui voce encontrará a poesia intimista. Seja bem vindo.

Wind love

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Dói, mas amo-te


Dói, mas amo-te

Eu que vasculho sempre o nada
destrinchando o melhor da estrada
se preciso for, perturbo toda a rima
semeio flores e colho tempestades
falo de amores mas, vejo as dores
subo e desço o arco-iris da ilusão
temo o reflexo, falo com as sombras
acordo com o sol da meia-noite
não sou verso nem reverso
tateio o impossível
ouço canto do pássaro triste
não me prendo a nenhuma métrica
não sei ser meio nem metade
vou fundo e profundo
comprei passagem só de ida
deste chão já, solo batido
se choro finjo esquecer
faço alquimia das palavras
sigo minha prosa (árdua-solitária-doída)
como um parto-complicado,
mas, não dobro a esquina
meu horizonte ninguém me tira.

Sabendo-se que ao longo desta estrada
minha sina é morrer, é nascer,
no que chamam de poesia!
Geane Masago
(02-05-2013)



Nenhum comentário:

Postar um comentário